jump to navigation

Futebol e Brasil: cada coisa no seu lugar 10/julho/2014

Posted by rapidoerasteiro in Diversos.
Tags: , , , ,
add a comment

DFB vc CBFCorrendo o risco de ser chato, vou também colocar a minha visão sobre o vexame da seleção brasileira nesta copa de 2014.

A derrota de 7 x 1 para a Alemanha não foi sofrida pelo Brasil (o país). Quem sofreu esta histórica derrota foi a Seleção Brasileira de Futebol, uma equipe mantida e gerenciada por uma organização privada, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), em um torneio organizado pela Fédération Internationale de Football Association (FIFA), outra organização privada.

Partindo dessa ideia, realmente a CBF levou um banho da Deutscher Fußball-Bund (DFB), a Federação Alemã de Futebol. Diversas fontes jornalísticas indicam que a DFB desenvolve um trabalho profissional de gestão da Seleção Alemã de Futebol desde a derrota em 2002, por acaso para a Seleção Brasileira. E a CBF, ao que parece, ficou para trás.

Em todos os esportes, a competitividade é o elemento fundamental. E em esportes de alto desempenho, especialmente em eventos mundiais, as exigências competitivas aumentam consideravelmente para aqueles que desejam vencer. E essas exigências alcançam patamares enormes em esportes que movimentam milhões (ou até mesmo bilhões) de dólares, como o futebol. Nesse caso, precisamos considerar e gerenciar o esporte como negócio, e foi aí que a CBF perdeu para a DFB nesta Copa de 2014.

Não há uma receita de bolo para que os negócios sejam bem sucedidos. Porém, há alguns elementos em comum entre as empresas mais competitivas do mundo. Entre esses elementos, podem ser destacados os investimentos contínuos em gestão, na inovação e na capacitação dos talentos, juntamente com a criação de uma cultura voltada à excelência naquilo que a empresa se propõe a fazer, não tolerando desvios.

Para aqueles críticos dessas boas práticas, já adianto: pode ser até que a Seleção Alemã de Futebol não ganhe a Copa de 2014. Isso porque outros países também estão desenvolvendo suas práticas com vistas à uma maior competitividade, e também porque há situações em campo que são muito particulares ao esporte, estando fora da esfera da gestão. Porém, o fato de que essa seleção esteve sempre entre os 4 melhores colocados das copas desde 2002, mostra que há muita coisa certa sendo feita pela DFB.

Com isso, não é preciso ser especialista para perceber que a CBF está muito longe de ser administrada como uma empresa, e tem dado pouca atenção ao seu principal negócio: o Futebol, representado na Copa do Mundo pela sua Seleção de melhores jogadores. Percebe-se que a gestão ainda é baseada nos relacionamentos pessoais e no “toma lá, dá cá”, há uma convivência pacífica com a corrupção e a impunidade, os especialistas não são valorizados como deveriam, e a inovação não parece ser vista com bons olhos, porque tende a provocar mudanças. As causas para isso são muitas, mas percebe-se que na CBF há uma cultura que tende a achar tudo isso muito normal. Porém, no universo competitivo de um “esporte-negócio” bilionário, esse tipo de cultura tende a não sobreviver.

E o Brasil? Felizmente, parece que estamos uma boa Copa do Mundo muito melhor do que se esperava. Porém, o que foi gasto deveria ser suficiente para fazer um evento luxuoso, com infraestrutura pelo menos equivalente ao que se vê nos países desenvolvidos. Gastamos muito, fizemos pouco, e vamos ficar com uma dívida enorme a ser paga com as instituições financeiras. Parece que, novamente, vemos o mesmo traço cultural da CBF nos nossos Governos (Municipal, Estadual e Federal) e também em diversas empresas – públicas e privadas. Com isso, corremos o risco em levarmos outras “goleadas” em áreas como Economia, Educação, Segurança e Saúde, só para citar algumas. Mas isso é assunto para evoluir em uma outra hora…

É importante perceber que a CBF não é o Brasil (ainda bem…) e que, apesar desse esporte ser uma “paixão nacional”, não há porque confundir as coisas. Então, as pessoas deveriam “queimar ou rasgar” aquelas camisetas caríssimas de dry-fit que têm o brasão da CBF, ao invés de cometer um crime contra a Bandeira do Brasil (um símbolo nacional). Com isso, cada coisa fica no seu lugar…

E-commerce na velocidade da luz 6/abril/2011

Posted by rapidoerasteiro in Internet.
Tags: , , ,
add a comment

Computação em Nuvem: muito se fala em teoria, mas são poucos são os teóricos que exibem exemplos reais. Apesar disso, parece que o negócio veio para ficar mesmo.

Dou o exemplo de uma loja que ajudei a montar há algumas semanas atrás. Da contratação do serviço de hospedagem, passando pela configuração da plataforma de e-commerce, do sistema de pagamentos, e pelo cadastramento de produtos, passaram-se menos que 10 dias. Isso mesmo, em pouco mais de uma semana foi possível configurar uma loja online 100%, algo impensável há apenas poucos anos (ou meses) atrás. Praticamente na “velocidade da luz”.

Para quem ficou curioso, a loja está no endereço www.legendstore.com.br. Os produtos são da Football Legends, que desenvolve, produz e comercializa camisetas muito bacanas em homenagem a Lendas do Futebol. Recomendo não apenas a loja online, mas principalmente os produtos e a marca.

Foi realmente uma experiência muito interessante. Mas vale lembrar que ter apenas a loja online não é elemento suficiente para o sucesso no comércio eletrônico. É fundamental pensar também no marketing, na logística e, principalmente, no atendimento aos clientes.

Quando as teorias da conspiração atingem níveis nunca antes imagináveis… 4/dezembro/2009

Posted by rapidoerasteiro in Internet.
Tags: , ,
add a comment

Esse vídeo eu vi no SimViral, e fui obrigado a reproduzir aqui. Para quem viu aquele golaço do Palmeiras, um chute por cobertura do meio de campo no jogo contra o Atlético Mineiro (e teve alguém que não viu?), há um detalhe praticamente subliminar na jogada.

Quem percebeu o detalhe fez o vídeo abaixo, que vale ser assitido. O exagero da teoria conspiratória do vídeo rende uma boa risada, ou pelo menos um sorriso.

Olha, eu até não me espantaria em saber que o local da placa com a mensagem “XXXX – a maior cobertura” (escondo o nome da empresa pq já tive problemas com a mesma e me nego a fazer propaganda para ela) foi escolhido propositalmente, atrás do gol. Mesmo sem conspiração, deixo os meus parabéns para o pessoal que teve essa sacada da escolha do local da placa publicitária. Afinal de contas, gol de cobertura volta e meia acontece…

%d blogueiros gostam disto: